Odres

Possuir uma vinícola é algo que acaba por possuir a vida de um homem. Não consigo descrever se o que encantava João era o sabor das uvas transformadas em vinho ou as cores e matrizes que a vinha tomava no fim de cada tarde, quando o vento descansava e o sol se deleitava em ver o trabalho que a natureza exercia para alegrar a vida.Com o passar do tempo, João começou a ficar rico às avessas. Seus olhos se enchiam de felicidade ao ver o que futuro lhe reservaria. Não eram os campos que o satisfaziam, mas a possibilidade de possuir mais e mais. Seu segredo agora era ele mesmo. 

Seu segredo agora era ele mesmo. Gastava todos os dias, e também as tardes tocando a mágica que ele havia criado para mudar o futuro – os odres que aprisionavam o vinho para garantir felicidade e segurança para além do vento. Os dias se fizeram semanas, que se fizeram anos. E por fim, o tempo tomou conta de mostrar a quem quisesse ver e ouvir qual era a riqueza daqueles fazenda: odres e mais odres. Todo o sonho da fazenda era enriquecer com os odres. Até que um dia, o que essa mudança operou ficou claro como o antigo amanhecer na fazenda. Num fim de dia, um velho amigo foi visitar ao vizinho que se dizia rico. Ao ver João odre ficou estarrecido ao perceber o encanto louco que odres destampados produziam naquele insano coração. Não havia mais fazenda, nem uvas, nem vinhos, nem futuro – só a necessidade de preservar as fôrmas.

Continuar lendoVoltar para a home