O aprendizado do deserto

Não acreditamos que, o deserto tenha algo para nos ensinar. O deserto é o lugar para ser evitado porque é o lugar da ausência. Ausência dos seres humanos, ausência do que os olhos desejam, ausência do conforto.Logo que chegamos no desertor, queremos nos afastar dele. Nós nos lembramos da presença de pessoas e de coisas prazerosas que ficaram para trás. Quando defrontamos o deserto, imediatamente achamos que a graça e a misericórdia de Deus nos abandonaram. Agora, estamos perdidos, desolados porque tudo o que tínhamos nos foi tirado. Estamos sós, sem ajuda, sem saber qual a saída. 

O silêncio do deserto nos perturba. Não temos ninguém com quem conversar. O rádio e a televisão calaram-se finalmente. Não há objetos em comum como o nosso cotidiano, estamos sós e isto é perturbador. Começamos a ter que conviver integralmente conosco, com nossos pensamentos, erros, sonhos, projetos, emoções, nossa visão. Como lidar com todas estas vozes? No entanto, o deserto fez parte da vida de homens de Deus como Jesus. Eles precisavam estar a sós com Deus, era necessário que Deus visitasse suas vidas desprovidas de qualquer conforto, para viver um relacionamento profundo. Ficamos tristes e decepcionados quando somos submetidos a ausência. Choramos quando estamos sem nossos pertences. Evitamos nos relacionar com outras pessoas, quando não temos nada para oferecer. Mas é isto é o que Deus deseja – conversar com quem somos, e não com o que pensamos possuir. Ele deseja estar a sós conosco para que nos vejamos e sejamos vistos, Deus deseja nos abençoar no deserto.

“Tendo se levantado alta madrugada, saiu, foi para um lugar deserto e ali orava.”
Marcos 1:35

Eli Moreira

Continuar lendoVoltar para a home