Como andar de bicicleta

Quando meu pai começou a me ensinava a andar de bicicleta, ele me deu uma orientação que tem me guiado ao longo dos anos. Tudo era novo para mim: a rua, a liberdade de escolher para onde ir. Com a liberdade vieram os medos de cair ou de me chocar com os postes que estavam presentes em todas as calçadas. Como não me chocar? Meu pai me disse que a vida seria como andar de bicicleta - com certeza, onde eu pusesse meus olhos, eu chegaria. Ele estava certo! Para o lugar onde fixei meus olhos, vi minha vida se dirigir e chegar.

Entretanto, com o tempo aprendi que, para muitos destes lugares, eu jamais deveria ter olhado. Não valiam a pena, foram desperdício de vida. Minha balança acerca do que era importante esteve quebrada. É muito humano procurar por coisas grandes, escolher alvos que sejam muito elevados. Nós nos sentimos muito bem, fazendo grandes escolhas. O problema é que, o que consideramos elevado, Deus considera pequeno. A vaidade nos cega! Deus habita com aquele que é humilde. Seu filho Jesus era humilde de coração, nasceu de forma humilde e, assim viveu. Porém, nós consideramos glorioso aquilo que nos destaca aos olhos dos homens. Mas, como saber para onde olhar, qual caminho escolher? Devo tornar-me um filho de Deus que aprendeu a descansar nos Seus braços, enquanto, sou transformado por Ele, até que meus olhos reflitam a Sua obra em mim.

“São os olhos a lâmpada do corpo. Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo será luminoso; se, porém, os teus olhos forem maus, todo o teu corpo estará em trevas. Portanto, caso a luz que em ti há sejam trevas, que grandes trevas serão”. Mateus 6.22,23.

Eli Moreira

Continuar lendoVoltar para a home